Pular para o conteúdo principal

Mais sobre mim

Olá! Eu sou a Amayi Soares Koyano, revisora, tradutora e prof de francês 😊 



Graduei-me em Letras (Francês e Estudos da Tradução) em 2013 pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e comecei a trabalhar como revisora e tradutora nesse mesmo ano. Quando iniciei meus estudos na faculdade, não queria ser professora, por isso optei pelo bacharelado. Foi só em 2016 que decidi iniciar a licenciatura em Língua Portuguesa no CEFET MG e só em 2018 que comecei a pensar em me tornar professora de francês. A opção pelo bacharelado foi muito importante para mim, pois me possibilitou realizar duas iniciações científicas (foram quatro anos dedicados à pesquisa já na graduação!). Sou especialista em Revisão de Textos pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) e mestra em Letras, na área de Estudos Linguísticos, Literários e Tradutológicos em Francês, pela Universidade de São Paulo (USP). 

Adoro a revisão de textos literários, sobretudo os de literatura infantil e juvenil. O que mais me agrada na revisão de textos é o diálogo com os demais envolvidos no processo editorial (autores, diagramadores, designers, editores) e também o fato de poder acompanhar, bem de pertinho, todas as etapas pelas quais um livro passa antes de chegar ao leitor. É muito legal! 
Trabalhar com revisão de textos empresariais e de gestão é também incrivelmente fascinante e eu adoro, sobretudo quando tratam de cases de sucesso, de referência e de entrevistas. Eles representam, para mim, um excelente contraponto à ficção literária. 


O ensino de francês língua estrangeira (FLE) é minha grande paixão: em sala de aula, com meus alunos, procuro transmitir todo o amor que sinto pela língua e também como pode ser divertido e agradável a aprendizagem de uma língua estrangeira. Afinal de contas, aprender outra língua é também aprender a ver o mundo de outra forma! Vocês concordam?

Para aqueles que queiram conhecer mais sobre o meu percurso profissional, como os lugares onde trabalhei, as minhas publicações e os temas que pesquiso, todas essas informações estão no meu currículo Lattes



Esse blog nasceu em 2014 como uma forma de divulgar meu trabalho de revisora e preparadora de originais. Mas, em 2020, ele se torna um espaço com mais funcionalidades: além de tratar de revisão, preparação e tradução, será também meu diário de pesquisa e de prática docente. Optei por mudar o nome do blog e não mais chamá-lo de Momento Revisão. Agora, o endereço traz meu nome e sobrenome. Assim fica mais pessoal, né? E o foco não é mais a revisão textual. Serão vários os momentos aqui revistos: a revisão entre a teoria e a prática, entre a trajetória percorrida e os novos rumos profissionais, para muito além da revisão de textos. Proponho aqui a revisão de conteúdos linguísticos e literários, em francês e em português, e a reflexão de práticas profissionais ligadas a essas áreas, transpassando os muros da universidade. Trarei também momentos de entrevistas, de dicas (programas culturais, cursos e formações) e de divulgação/vulgarização científica. Meu objetivo em retomar o blog é, acima de tudo, para me conectar com pessoas que também estejam em busca de encontros e diálogos que aproximem as pesquisas acadêmicas do nosso dia a dia com a língua, seja ela o português ou o francês. ❤

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mestra em Letras!

A experiência do mestrado foi, sem dúvida, uma das mais intensas da minha vida até o momento. Envolvi-me não somente com a pesquisa, como é exigido para a pós-graduação, mas também com o ensino na graduação e com a extensão universitária. Tudo isso sem deixar de participar dos grupos de pesquisa da USP, dos trabalhos de preparação e revisão de livros e do ensino do francês na Aliança Francesa.  O que considero de fundamental importância no meu percurso acadêmico, sobretudo na USP, foram as pessoas que eu conheci: - as que convivi mais intimamente e que se tornaram grandes amigos; - as que me procuraram nos intervalos dos congressos para trocar uma ideia sobre nossos temas de pesquisa;   - as que passaram os intervalos comigo no café da Tia Bia; - as que trabalharam comigo, dentro e fora da USP; - as que me acolheram em São Paulo. Elas eram colegas de curso, professores e alunos de graduação. Eram as pessoas que marcavam comigo viagens para congressos, saídas, reuniões. Todas e cada uma

100 aulas dadas são 100 aulas planejadas... e pensadas!

Hoje eu comemoro a minha marca pessoal de 100 (!) aulas dadas on-line na Aliança Francesa daqui de São Paulo. Foram 100 aulas dadas, 100 aulas planejadas para o ensino remoto. Algumas dessas aulas foram de 1h30, outras de 2h, outras ainda de 3h. Foram quase 300 horas de aula dadas.  Lá em março, um pouco antes do confinamento, quando eu havia acabado de comprar trocentas canetas de cores diferentes para usar no quadro branco, quando eu havia pensando e montado uma pasta para cada turma que viesse a ter ao longo do ano, as aulas presenciais foram suspensas. Os professores da AFSP passaram duas semanas inteiras em formação, de manhã e de tarde. Naquela época, eu achei que não conseguiria dar nem a primeira aula. Mas eu dei. E me senti satisfeita com meu trabalho. Meus queridos alunos não desistiram de mim no primeiro semestre, e eu dei o meu melhor por eles. Depois vieram mais turmas. Hoje entreguei mais uma turma para o módulo 2. E, com ela, minha marca de 100 aulas dadas em um contexto

Diário de prática docente e a observação das aulas

Como prof, adoro assistir às aulas de outros profs plus expérimentés , mais experientes. Sempre aprendo muito com eles e consigo identificar estratégias adotadas para o trabalho com as sequências didáticas. Tenho sei lá quantos cadernos de formações e de anotações de aulas de outros profs. Ensinar é, antes de tudo, aprender e é preciso aprender a ensinar. Dito isso, chegou o dia de eu ter minha aula observada. Quando observei as aulas de outras profs com mais experiência que eu, mas ainda assim menos expérimentées que a minha supervisora da USP (que já foi coordenadora da Aliança Francesa de São Paulo e que leciona na graduação e na pós há mais de uma década), eu percebi um certo incômodo pela minha presença. Sempre fui muito bem recebida, tanto por essas profs quanto por seus alunos. Mas era nítida uma certa timidez por ter outra prof (no caso, eu) observando a prática docente delas. Vivi até a semana passada tendo essa experiência só pelo lado de quem observa, de quem está na sa

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *