Pular para o conteúdo principal

Um passeio pela USP (dois anos e 3 meses após o início da pandemia)

 Fora toda a dificuldade e angústia que todos nós sentimos ao longo da pandemia e as perdas de entes e amigos queridos, cada um teve também perdas materiais e experienciais. A maior dessas últimas, para mim, foi ter realizado a defesa da minha dissertação on-line. 

Sempre imaginei como seria a defesa da minha dissertação: cercada das pessoas que gosto, vestida com uma roupa bem bonita e escolhida com muito cuidado para a ocasião. No intervalo, beberia um café e uma água com gás e aproveitaria para tentar relaxar jogando conversa fora, na porta do prédio administrativo da FFLCH. Quem sabe não teria alguém tocando aquele piano maravilhoso do saguão? Poderia estar sol ou chuva, mas nada disso iria importar, porque, ao final, todos iríamos nos reunir em um lugar bem bacana para celebrar a minha conquista. Seria um momento realmente memorável. Provavelmente, eu iria esquecer de tirar fotos, porque nunca lembro mesmo, mas talvez tivesse alguma para guardar de recordação. Em todo caso, ficaria marcado na minha memória esse dia. 

Mas não foi assim.

A parte das pessoas que eu amo estarem presentes foi verdade. Algumas delas estiveram, mesmo. Mas não como eu gostaria. Elas não tiraram o dia de folga e nem se arrumaram para a ocasião. Entre uma reunião ou outra no trabalho, entraram na sala, causaram algum alvoroço na defesa on-line... e só. Nada de café e fofoca no intervalo, nada de nada do que eu havia sonhado. 

Mas foi uma defesa linda, com uma banca muito especial. Teria sido melhor presencial? Sem dúvida. No entanto, foi o que foi. 

Sofri muito com o fim do meu mestrado, quase entrei em depressão. A terapia me auxiliou nesse processo de me reerguer e me reencontrar. Superar o sonho realizado em meio ao caos (e ainda desse jeito) não foi fácil. Essa experiência acabou afastando de mim a vontade de entrar no doutorado, pois não quero ter a minha última titulação marcada dessa forma. Foi traumático, sim, não ter nada daquilo que sempre presenciei com amigos e queridos de trabalho. Minha comemoração foi só com meu marido e algumas caipirinhas e com mensagens de amigos e familiares.

Todo mundo perdeu experiências e bens materiais com a pandemia. Eu perdi a minha defesa. Hoje, eu encaro de um modo melhor esse episódio. Eu poderia nem estar viva para defender minha pesquisa. Muitas vidas foram perdidas por negligência com a vacina (e naquela época nem tínhamos vacina no Brasil).

Fato é que a USP ficou fechada até o início deste ano. Foi quando me dei conta que não havia o meu diploma físico do mestrado (e precisava ir até lá para buscá-lo). Fiquei cerca de dois meses criando coragem para ir até lá... e nada. 

Eis que tive a quarta entorse no tornozelo direito, com rotura ligamentar. Precisei procurar uma fisioterapia esportiva especialista em corrida (conto mais para frente o porquê) e a clínica é em Moema (moro atualmente em Santo André, no ABC). Não posso dirigir e ir e voltar de Uber custa aproximadamente R$100,00, o que é inviável semanalmente. Como moro ao lado de uma estação de trem da CPTM, precisava testar se daria conta de andar de transporte público, para ir até a fisioterapia. Foi então que os planos de ir à USP e aproveitar a viagem para ver os amigos de lá não deu muito certo; precisei ir de supetão mesmo, para avaliar a minha mobilidade e a viabilidade de andar sozinha de trem e de metrô. 

Na quarta passada, fui então buscar meu diploma, essa lindeza em cores que deixou o meu diploma de graduação da UFMG (que parece mais um xerox) no chinelo:


Aproveitei a ocasião para matar saudade da FFLCH, do prédio de Letras e, claro, da lanchonete da Tia Bia: 


Tomei um café com um aluno que só conhecia on-line e passei um início de tarde bem agradável no lugar que mais frequentei antes da pandemia. A USP, com certeza, deixa saudades! ❤



Comentários

  1. Parabéns pela titulação, pelo diploma e pela pesquisa incrível que fez. Infelizmente algumas coisas não saem como a gente sonhou. Mas a gente faz o melhor com aquilo que temos na mão.
    Tenho muito orgulho das suas conquistas e da pessoa que você!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

A gentileza mora nas palavras :)

Postagens mais visitadas deste blog

Mestra em Letras!

A experiência do mestrado foi, sem dúvida, uma das mais intensas da minha vida até o momento. Envolvi-me não somente com a pesquisa, como é exigido para a pós-graduação, mas também com o ensino na graduação e com a extensão universitária. Tudo isso sem deixar de participar dos grupos de pesquisa da USP, dos trabalhos de preparação e revisão de livros e do ensino do francês na Aliança Francesa.  O que considero de fundamental importância no meu percurso acadêmico, sobretudo na USP, foram as pessoas que eu conheci: - as que convivi mais intimamente e que se tornaram grandes amigos; - as que me procuraram nos intervalos dos congressos para trocar uma ideia sobre nossos temas de pesquisa;   - as que passaram os intervalos comigo no café da Tia Bia; - as que trabalharam comigo, dentro e fora da USP; - as que me acolheram em São Paulo. Elas eram colegas de curso, professores e alunos de graduação. Eram as pessoas que marcavam comigo viagens para congressos, saídas, reuniões. Todas e cada uma

100 aulas dadas são 100 aulas planejadas... e pensadas!

Hoje eu comemoro a minha marca pessoal de 100 (!) aulas dadas on-line na Aliança Francesa daqui de São Paulo. Foram 100 aulas dadas, 100 aulas planejadas para o ensino remoto. Algumas dessas aulas foram de 1h30, outras de 2h, outras ainda de 3h. Foram quase 300 horas de aula dadas.  Lá em março, um pouco antes do confinamento, quando eu havia acabado de comprar trocentas canetas de cores diferentes para usar no quadro branco, quando eu havia pensando e montado uma pasta para cada turma que viesse a ter ao longo do ano, as aulas presenciais foram suspensas. Os professores da AFSP passaram duas semanas inteiras em formação, de manhã e de tarde. Naquela época, eu achei que não conseguiria dar nem a primeira aula. Mas eu dei. E me senti satisfeita com meu trabalho. Meus queridos alunos não desistiram de mim no primeiro semestre, e eu dei o meu melhor por eles. Depois vieram mais turmas. Hoje entreguei mais uma turma para o módulo 2. E, com ela, minha marca de 100 aulas dadas em um contexto

Wellington Júnio Costa: a língua francesa entre palavra e imagem

Para a primeira entrevista deste ano, convidei o professor, pesquisador e tradutor Wellington Júnio Costa . O Wellington foi meu professor de francês na Alliance Française de Belo Horizonte e também durante a minha graduação em Letras na Faculdade de Letras (FALE) da UFMG. Atualmente, ele é doutorando do programa de pós-graduação em Letras Estrangeiras e Tradução (LETRA) da USP e professor efetivo de Língua Francesa e de Ensino de Língua Francesa do Departamento de Letras Estrangeiras da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Graduado em 1996 em Artes com habilitação em Cinema de Animação pela Escola de Belas Artes (EBA) da UFMG, formou-se também em licenciatura dupla Português-Francês pela FALE/UFMG em 2006. Mestre em Estudos Literários também pela FALE/UFMG, ele é tradutor da obra de Jean Cocteau para o português brasileiro e pesquisador das noções de autorretrato, autobiografia, autoficção, relação entre as artes, poética da tradução e tradução intersemiótica. Além desse currícul

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *