Pular para o conteúdo principal

Artista britânica cria ilustrações de "palavras intraduzíveis"

Quem já estudou um pouquinho que seja sobre teorias de tradução sabe que não existe isso de palavras intraduzíveis. Quem nunca estudou tradução, eu conto pra vocês esse segredinho: não existe isso de palavras intraduzíveis. É claro que nem toda palavra encontrará um referente que também é uma palavra na outra língua. O que acontece, na verdade, é que a equivalência entre palavras de línguas diferentes ocorre em graus e que essas gradações tornam, por vezes, inviável traduzir uma palavra por outra, o que possibilita ao tradutor exemplificar ou explicar o termo, ao invés de empregar um que não é a definição mais próxima do que ele deseja. A magia da tradução está nessa dosagem, nesse controle entre o dito em uma língua e o como pode ser dito em outra. O sentido importa muito. Nos casos em que a forma também é importante, como na poesia, o tradutor está sempre diante de um dilema: forma ou sentido? Alguns poucos tentam manter ambos ao mesmo tempo (esforço dos diabos isso e nem sempre, ou raramente, dá certo); outros optam por um ou por outro, mas essa escolha sempre precisa ser feita conscientemente. 

Há um ditado popular que diz que "uma imagem vale mais do que mil palavras" e, para mim, essa é a ideia principal que eu apreendi do trabalho Untranslatable Words da britânica Marija Tiurina. A ilustradora criou uma série de "palavras ditas intraduzíveis" em várias línguas e o resultado é inspirador. 
Confere só!

Cafuné, do português brasileiro: o ato de correr os dedos pelos cabelos de alguém ternamente.
Gufra, do árabe: a quantidade de água que pode ser segurada em uma mão. 
Schlimazl, do iídiche: uma pessoa com azar crônico.
Duende, do espanhol: o misterioso poder que uma obra de arte tem de tocar as pessoas profundamente.
Tingo, do pascuense: o ato de pegar todos os objetos que você gosta do seu amigo, gradualmente, pedindo emprestado.
Kyoikumama, do japonês: uma mãe que pressiona o filho para que ele tenha um bom desempenho acadêmico. 
Torschlusspanik, do alemão: medo de que as possibilidades diminuam conforme a idade passa.
Palegg, do norueguês: qualquer coisa que você pode colocar em uma fatia de pão.
Age-Otori, do japonês: quando você fica pior após um corte de cabelo.
Luftmensch, do iídiche: refere-se a alguém que é sonhador. Significa literalmente: pessoa aérea.
Baku-Shan, do japonês: uma garota que é bonita desde que você só a veja de costas.
Schadenfreude, do alemão: sensação de prazer ao ver a desgraça alheia.
Tretar, do sueco: “tar” significa uma xícara de café e “patar” é o refil desta xícara. “Tretar” é o segundo refil.
L’appel Duvide, do francês: “a chamada do vazio” seria a tradução literal, mas sua melhor descrição seria descrever o instinto que surge de pular de prédios altos.

Simplesmente encantador, não é mesmo? A minha ilustração favorita é a da palavra espanhola duendeSempre senti falta de um termo para definir esse sentimento fascinante de ser tocado profundamente por uma obra de arte! Mas as de iídiche são também a minha cara, sobretudo a palavra luftmensch: vivo com a cabeça nas nuvens, no mundo da lua! haha

Para conferir mais trabalhos da artista, basta clicar aqui!

Postagens mais visitadas deste blog

Mestra em Letras!

A experiência do mestrado foi, sem dúvida, uma das mais intensas da minha vida até o momento. Envolvi-me não somente com a pesquisa, como é exigido para a pós-graduação, mas também com o ensino na graduação e com a extensão universitária. Tudo isso sem deixar de participar dos grupos de pesquisa da USP, dos trabalhos de preparação e revisão de livros e do ensino do francês na Aliança Francesa.  O que considero de fundamental importância no meu percurso acadêmico, sobretudo na USP, foram as pessoas que eu conheci: - as que convivi mais intimamente e que se tornaram grandes amigos; - as que me procuraram nos intervalos dos congressos para trocar uma ideia sobre nossos temas de pesquisa;   - as que passaram os intervalos comigo no café da Tia Bia; - as que trabalharam comigo, dentro e fora da USP; - as que me acolheram em São Paulo. Elas eram colegas de curso, professores e alunos de graduação. Eram as pessoas que marcavam comigo viagens para congressos, saídas, reuniões. Todas e cada uma

100 aulas dadas são 100 aulas planejadas... e pensadas!

Hoje eu comemoro a minha marca pessoal de 100 (!) aulas dadas on-line na Aliança Francesa daqui de São Paulo. Foram 100 aulas dadas, 100 aulas planejadas para o ensino remoto. Algumas dessas aulas foram de 1h30, outras de 2h, outras ainda de 3h. Foram quase 300 horas de aula dadas.  Lá em março, um pouco antes do confinamento, quando eu havia acabado de comprar trocentas canetas de cores diferentes para usar no quadro branco, quando eu havia pensando e montado uma pasta para cada turma que viesse a ter ao longo do ano, as aulas presenciais foram suspensas. Os professores da AFSP passaram duas semanas inteiras em formação, de manhã e de tarde. Naquela época, eu achei que não conseguiria dar nem a primeira aula. Mas eu dei. E me senti satisfeita com meu trabalho. Meus queridos alunos não desistiram de mim no primeiro semestre, e eu dei o meu melhor por eles. Depois vieram mais turmas. Hoje entreguei mais uma turma para o módulo 2. E, com ela, minha marca de 100 aulas dadas em um contexto

Wellington Júnio Costa: a língua francesa entre palavra e imagem

Para a primeira entrevista deste ano, convidei o professor, pesquisador e tradutor Wellington Júnio Costa . O Wellington foi meu professor de francês na Alliance Française de Belo Horizonte e também durante a minha graduação em Letras na Faculdade de Letras (FALE) da UFMG. Atualmente, ele é doutorando do programa de pós-graduação em Letras Estrangeiras e Tradução (LETRA) da USP e professor efetivo de Língua Francesa e de Ensino de Língua Francesa do Departamento de Letras Estrangeiras da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Graduado em 1996 em Artes com habilitação em Cinema de Animação pela Escola de Belas Artes (EBA) da UFMG, formou-se também em licenciatura dupla Português-Francês pela FALE/UFMG em 2006. Mestre em Estudos Literários também pela FALE/UFMG, ele é tradutor da obra de Jean Cocteau para o português brasileiro e pesquisador das noções de autorretrato, autobiografia, autoficção, relação entre as artes, poética da tradução e tradução intersemiótica. Além desse currícul

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *