Pular para o conteúdo principal

Afinal, o que é literatura?

Muito se fala sobre o que é ou não literatura. Quando entrei na minha graduação, no início de 2008, o assunto já causava alvoroço no curso de letras e, provavelmente, teve início bem antes de eu iniciar meus estudos superiores. De lá para cá, nada mudou, pelo visto. 
O grande ponto de conflito do que vem a ser literatura está no fato de autores e professores universitários entenderem como literatura unicamente o canônico, a literatura dita clássica, como Hugo, Balzac, Voltaire, Machado de Assis, Guimarães Rosa, etc., incluindo (talvez?) os ganhadores de prêmios como o Jabuti. 
Fato é que a literatura clássica exclui grande parte das produções literárias que existem, inclusive a literatura infantil como um todo. Raros autores entram na lista dos cânones e, provavelmente, são incluídos por terem conseguido agradar aos professores universitários e aos poucos autores dessa excludente seleção.
Peter Hunt, em Crítica, teoria e literatura infantil (2010), evidencia e discute acerca desse ponto de conflito. Para mim, essa obra serve de texto-base não só para meus artigos sobre literatura infantil, como o que escrevi em meu trabalho final na pós-graduação, como também para a visão que tenho sobre essa literatura.
Em linhas gerais, Hunt aponta uma hierarquia estabelecida pelos professores universitários de literatura. Para estes, o cânone vem no topo. Abaixo, a literatura feminista e, por último, a literatura infantil. Só o fato de se dizer literatura infantil já é um indício de que essa hierarquia de fato existe. Não dizemos literatura adulta ou literatura da terceira idade. Mas dizemos literatura infantil, literatura juvenil, literatura feminista
O que Hunt propõe em seu livro é que a literatura para crianças não seja analisada com os mesmos parâmetros da literatura canônica. São essas formas de análise que criam margens, que discriminam e que excluem tudo aquilo que não encaixa perfeitamente no dito cânone. 
Só a palavra cânone já carrega em sua pronúncia um emaranhado de poeira e teias de aranha. Consigo até mesmo sentir o cheiro de biblioteca trancafiada a sete chaves por mais de séculos sem que um ser humano tenha pisado lá. É fascinante um lugar assim? Com toda certeza. Eu adoro! Mas não dá para considerar só as produções do passado como relevantes e um ou outro ganhador de prêmio literário. E olha que, para mim, dizer isso não é fácil. Passei praticamente toda a minha graduação lendo os clássicos, porque sou simplesmente apaixonada por eles. Ainda hoje, eu simplesmente adoro lê-los e sentir aquela sensação gostosa de me deslocar no tempo e no espaço para vivenciar outras realidades tão diferentes da minha. Mas, ainda bem, eu percebi que toda literatura tem sua beleza e seu mérito. As produções contemporâneas não me deslocam no tempo, às vezes só no espaço, e me dão algo que não tem preço: o ponto de vista do outro. Isso é fascinante! 
O estabelecimento do canônico teve, sim, sua importância. Nos fez ver enquanto humanidade que existem textos essenciais para a nossa constituição. Infelizmente, o erro está em insistir em apenas considerar a esses textos. 
Talvez o vislumbre que anos de carreira e de reconhecimento tenham feito de alguns autores de literatura de margem, que pelo cânone não é nem considerado literatura, grandes carrascos de textos que fogem, segundo a concepção pessoal deles, do que é literatura. Pobremente eles se enganam e se perdem em si mesmos, ao não perceberem que a visão limitada de literatura que possuem exclui inclusive a eles mesmos, da mesma forma que eles aos outros exclui.

Parabenizo imensamente à vida e obra de Ruth Rocha, apesar da infelicidade de suas palavras acerca da literatura de J. K. Rowling*. Desejo a ela que não caia na mesma armadilha de palavras na qual jogou a grande autora de Harry Potter que, por sinal, passa muito bem e nada sentiu.  


Faço da definição do grande lexicógrafo brasileiro, Aurélio Buarque de Holanda, minhas palavras finais, esperando que dele ninguém duvide. Prometo escrever mais sobre literatura para crianças em breve.

"Significado de Literatura
1 Ciência do literato.
2 Conjunto das obras literárias de um país ou de uma época.
3 Escritos narrativos, históricos, críticos, de eloquência, de fantasia, de poesia, etc.
4 Folheto que acompanha um medicamento ou alguns outros produto, de conteúdo informativo sobre composição, administração, precauções, etc.
5 literatura de cordel: conjunto de folhetos literários populares, que os livreiros originalmente dependuravam em cordéis."


*Veja aqui a declaração polêmica de Ruth Rocha em entrevista ao portal IG, publicada dia 27/04/2015.

Postagens mais visitadas deste blog

Mestra em Letras!

A experiência do mestrado foi, sem dúvida, uma das mais intensas da minha vida até o momento. Envolvi-me não somente com a pesquisa, como é exigido para a pós-graduação, mas também com o ensino na graduação e com a extensão universitária. Tudo isso sem deixar de participar dos grupos de pesquisa da USP, dos trabalhos de preparação e revisão de livros e do ensino do francês na Aliança Francesa.  O que considero de fundamental importância no meu percurso acadêmico, sobretudo na USP, foram as pessoas que eu conheci: - as que convivi mais intimamente e que se tornaram grandes amigos; - as que me procuraram nos intervalos dos congressos para trocar uma ideia sobre nossos temas de pesquisa;   - as que passaram os intervalos comigo no café da Tia Bia; - as que trabalharam comigo, dentro e fora da USP; - as que me acolheram em São Paulo. Elas eram colegas de curso, professores e alunos de graduação. Eram as pessoas que marcavam comigo viagens para congressos, saídas, reuniões. Todas e cada uma

100 aulas dadas são 100 aulas planejadas... e pensadas!

Hoje eu comemoro a minha marca pessoal de 100 (!) aulas dadas on-line na Aliança Francesa daqui de São Paulo. Foram 100 aulas dadas, 100 aulas planejadas para o ensino remoto. Algumas dessas aulas foram de 1h30, outras de 2h, outras ainda de 3h. Foram quase 300 horas de aula dadas.  Lá em março, um pouco antes do confinamento, quando eu havia acabado de comprar trocentas canetas de cores diferentes para usar no quadro branco, quando eu havia pensando e montado uma pasta para cada turma que viesse a ter ao longo do ano, as aulas presenciais foram suspensas. Os professores da AFSP passaram duas semanas inteiras em formação, de manhã e de tarde. Naquela época, eu achei que não conseguiria dar nem a primeira aula. Mas eu dei. E me senti satisfeita com meu trabalho. Meus queridos alunos não desistiram de mim no primeiro semestre, e eu dei o meu melhor por eles. Depois vieram mais turmas. Hoje entreguei mais uma turma para o módulo 2. E, com ela, minha marca de 100 aulas dadas em um contexto

Wellington Júnio Costa: a língua francesa entre palavra e imagem

Para a primeira entrevista deste ano, convidei o professor, pesquisador e tradutor Wellington Júnio Costa . O Wellington foi meu professor de francês na Alliance Française de Belo Horizonte e também durante a minha graduação em Letras na Faculdade de Letras (FALE) da UFMG. Atualmente, ele é doutorando do programa de pós-graduação em Letras Estrangeiras e Tradução (LETRA) da USP e professor efetivo de Língua Francesa e de Ensino de Língua Francesa do Departamento de Letras Estrangeiras da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Graduado em 1996 em Artes com habilitação em Cinema de Animação pela Escola de Belas Artes (EBA) da UFMG, formou-se também em licenciatura dupla Português-Francês pela FALE/UFMG em 2006. Mestre em Estudos Literários também pela FALE/UFMG, ele é tradutor da obra de Jean Cocteau para o português brasileiro e pesquisador das noções de autorretrato, autobiografia, autoficção, relação entre as artes, poética da tradução e tradução intersemiótica. Além desse currícul

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *