Pular para o conteúdo principal

Momento com o escritor Francisco Marques Vírgula Chico dos Bonecos

Chico dos Bonecos é um grande escritor e poeta mineiro. Nascido em Belo Horizonte, ele se graduou em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais. Devido à relevância de sua atuação profissional e social em todo o Brasil, o escritor ganhou em 2008 a Medalha de Honra UFMG


Mas esse prêmio não é surpresa na vida desse artista fabuloso: em 1987, ele recebeu o Prêmio Henriqueta Lisboa por meio do Concurso Nacional de Literatura Infantil, realizado pela Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais; em 1995, o Prêmio Criança 95 da Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança; e em 2005, o Prêmio FNLIJ Odylo Costa da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil. 


Apesar de ter a maioria dos seus prêmios ligados ao seu trabalho com o público infantil, a obra de Chico dos Bonecos é das raras que abrange a todos, independente da faixa etária. Uma das grandes atrações de sua atuação está em suas apresentações: impossível não se encantar! Assista:


A linguagem poética de sua obra está inclusive nos textos em prosa. Lançado no início de 2014 pela Editora Peirópolis, o livro A secretescrita e o desafio decifradórico, o qual tive o imenso prazer de revisar, é uma encantadora história que trata, dentre tantas preciosidades, do legado que deixamos. 

O fascínio pela poesia começou logo cedo para Chico. Ele descreve no vídeo a seguir o que o motivou a ser escritor e poeta. Confira:



Pelo selo da Peirópolis, o autor já publicou:

  • Selecionado para o acervo da Coordenadoria Municipal de Bibliotecas (SMC/PMSP).
  • Selecionado para o Catálogo de Bolonha 2005 – FNLIJ's selection celebrating 30 years of FNLIJ Award 2005.
  • Altamente Recomendável pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) – 2005.
  • Selecionado para o Cantinho de Leitura da Secretaria da Educação de Goiás – 2005.
  • Selecionado para o Programa Bibliotecas Comunitárias Ler É Preciso do Instituto Ecofuturo, da Cia Suzano de Papel e Celulose e da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) – 2005.
  • Selecionado para o Programa Nacional do Livro Didático de São Paulo (PNLD-SP) – 2005.
  • Selecionado para o Programa Nacional Biblioteca na Escola (PNBE) – 2005.
  • Prêmio Odylo Costa, Filho – O Melhor Livro de Poesia – 2005, concedido pela FNLIJ.
  • Selecionado para o Catálogo de Bolonha 2006 – Categoria Ficção para Crianças.
  • Altamente Recomendável pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) – 2005.
  • Selecionado para o Programa Nacional do Livro Didático de São Paulo (PNLD-SP) – 2006.
  •  Selecionado para o acervo da Coordenadoria Municipal de Bibliotecas (SMC/PMSP).
  • Selecionado para o Programa Nacional Biblioteca na Escola (PNBE) – 2010.
  • Selecionado para o Programa Nacional do Livro Didático de São Paulo (PNLD-SP) – 2007.
  • Altamente Recomendável pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ)/Categoria Reconto – 2006.
  • Selecionado para o Catálogo de Bolonha 2006 – FNLIJ's Selection 44ª Bologna Children’s Book Fair/Categoria histórias recontadas – 2006.
O lenhador (2011)
  • Selecionado para o kit literário da Prefeitura de Belo Horizonte – 2012.
  • Altamente Recomendável pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) na Categoria Poesia – 2012.
  • Prêmio Odylo Costa – O Melhor Livro de Poesia – Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) 2012.
  • Selecionado para o Catálogo de Bolonha 2012 – FNLIJ's selection.
  • 49ª Bologna Children’s Book Fair 2012 – Categoria Poesia.
  • Selecionado para o Catálogo de Bolonha 2014/Categoria Retold stories.
  • Altamente Recomendável FNLIJ 2014 – Produção 2013/Categoria Criança.
Quando o segredo se espalha (2013)

Viu só quantas premiações e recomendações as obras dele receberam só por meio das publicações realizadas pela Editora Peirópolis? Isso tudo é fruto de um trabalho benfeito e que, acima de tudo, é feito com muito amor, dedicação e pesquisa. Chico dos Bonecos desbrava todas as possibilidades que um escritor possui: literatura, audiovisual, atividades de arte-educação... Além de tudo o que essas possibilidades acarretam. 

Esse é um artista que nos causa catarse. Por isso, para conhecer sua obra verdadeiramente, é preciso conferir pessoalmente uma de suas apresentações. Assim como os trovadores, na Idade Média, encantavam os ouvintes com sua maneira única de narrar, Chico dos Bonecos traz de volta toda essa magia das histórias narradas, da oralidade e da sonoridade do brincar.

Confesso que sou completamente apaixonada pelo trabalho desse escritor e pela pessoa que ele é. Sempre que quero um pouco mais de Chico dos Bonecos, entro no site dele. Clique aqui e conheça você também um pouco mais desse gênio das letras!

Ah, em breve tem entrevista dele aqui no site! Você não pode perder! 

Postagens mais visitadas deste blog

Mestra em Letras!

A experiência do mestrado foi, sem dúvida, uma das mais intensas da minha vida até o momento. Envolvi-me não somente com a pesquisa, como é exigido para a pós-graduação, mas também com o ensino na graduação e com a extensão universitária. Tudo isso sem deixar de participar dos grupos de pesquisa da USP, dos trabalhos de preparação e revisão de livros e do ensino do francês na Aliança Francesa.  O que considero de fundamental importância no meu percurso acadêmico, sobretudo na USP, foram as pessoas que eu conheci: - as que convivi mais intimamente e que se tornaram grandes amigos; - as que me procuraram nos intervalos dos congressos para trocar uma ideia sobre nossos temas de pesquisa;   - as que passaram os intervalos comigo no café da Tia Bia; - as que trabalharam comigo, dentro e fora da USP; - as que me acolheram em São Paulo. Elas eram colegas de curso, professores e alunos de graduação. Eram as pessoas que marcavam comigo viagens para congressos, saídas, reuniões. Todas e cada uma

100 aulas dadas são 100 aulas planejadas... e pensadas!

Hoje eu comemoro a minha marca pessoal de 100 (!) aulas dadas on-line na Aliança Francesa daqui de São Paulo. Foram 100 aulas dadas, 100 aulas planejadas para o ensino remoto. Algumas dessas aulas foram de 1h30, outras de 2h, outras ainda de 3h. Foram quase 300 horas de aula dadas.  Lá em março, um pouco antes do confinamento, quando eu havia acabado de comprar trocentas canetas de cores diferentes para usar no quadro branco, quando eu havia pensando e montado uma pasta para cada turma que viesse a ter ao longo do ano, as aulas presenciais foram suspensas. Os professores da AFSP passaram duas semanas inteiras em formação, de manhã e de tarde. Naquela época, eu achei que não conseguiria dar nem a primeira aula. Mas eu dei. E me senti satisfeita com meu trabalho. Meus queridos alunos não desistiram de mim no primeiro semestre, e eu dei o meu melhor por eles. Depois vieram mais turmas. Hoje entreguei mais uma turma para o módulo 2. E, com ela, minha marca de 100 aulas dadas em um contexto

Wellington Júnio Costa: a língua francesa entre palavra e imagem

Para a primeira entrevista deste ano, convidei o professor, pesquisador e tradutor Wellington Júnio Costa . O Wellington foi meu professor de francês na Alliance Française de Belo Horizonte e também durante a minha graduação em Letras na Faculdade de Letras (FALE) da UFMG. Atualmente, ele é doutorando do programa de pós-graduação em Letras Estrangeiras e Tradução (LETRA) da USP e professor efetivo de Língua Francesa e de Ensino de Língua Francesa do Departamento de Letras Estrangeiras da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Graduado em 1996 em Artes com habilitação em Cinema de Animação pela Escola de Belas Artes (EBA) da UFMG, formou-se também em licenciatura dupla Português-Francês pela FALE/UFMG em 2006. Mestre em Estudos Literários também pela FALE/UFMG, ele é tradutor da obra de Jean Cocteau para o português brasileiro e pesquisador das noções de autorretrato, autobiografia, autoficção, relação entre as artes, poética da tradução e tradução intersemiótica. Além desse currícul

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *